TOMADA DE DECISÕES ESTRATÉGICAS

José Francisco de Morais

Diretor e Consultor Corporativo

COMANDA Educação Corporativa

As decisões estratégicas possuem características próprias, o que as difere das decisões programadas ou semi programadas.

As decisões estratégicas caracterizam-se por riscos elevados, altos custos e a descontinuidade que permeia o processo.

Quando analisamos um processo decisório, iremos constatar aspectos típicos de uma decisão, tais como: grau de rotinização, sua duração, grau de delegação, a intensidade da participação, a quantidade de decisões, a extensão da participação, a quantidade de busca de informações, o estabelecimento de coalizões, a quantidade de criação conjunta, a quantidade de negociação, a quantidade de atraso deliberado, a quantidade de conflitos e a duração do conflito.

Todos esses aspectos estarão mais presentes ou não, conforme a importância da decisão. Através da observação dessas variáveis poderemos identificar a coalisão de poder, o centro de poder na empresa, nos partidos políticos, nas universidades, nos sindicatos e nas organizações militares, os grupos dominantes e que controlam os padrões de transformação nas corporações e na sociedade.

As decisões quando são estratégicas, trazem em seu bojo características que as tornam diferentes das decisões táticas, operacionais e rotineiras. Vamos às suas principais características:

Grau de rotinização
A decisão é rotineira ou não?

Grau de delegação
Até que ponto esse processo decisório aparece em diferentes níveis da organização

A duração
Quanto tempo ela levou para ser tomada? Quanto tempo levou entre a proposta apresentada e a decisão tomada?

A intensidade da participação
Qual foi a quantidade de esforço gasto por cada um dos grupos de interesse?

Quantidade de discussão
Quantidade de tempo gasto discutindo a ideia, debatendo o problema, para se tomar a decisão

A extensão da participação
Número de grupos envolvidos -> muita negociação entre presidência, diretores, gerentes, matriz?

A quantidade de busca de informações
Busca de fatos relacionados a questão por parte dos grupos de interesse. Quantidade de consultorias evoluídas.

Estabelecimento de coalizões
Extensão das mudanças que se observa nas combinações, quantas pessoas entraram e saíram dos grupos.

A quantidade de criação conjunta
Extensão em que o resultado final é produto das ideias de vários indivíduos e grupos.

Quantidade de negociação
Tempo gasto em barganhas.

Quantidade de atraso deliberado
Tempo gasto em evitar a discussão.

Quantidade de conflito
Extensão do desacordo entre os grupos de interesse.

Duração do conflito
Quantidade de tempo em que o desacordo permaneceu.

É através das observações dessas variáveis que iremos identificar a coalização de poder nas organizações, quem lidera, influencia, decide e tem seguidores.

A COMANDA Educação Corporativa dispõe de cursos na área de Tomada de Decisões.

Consulte nosso site: www.comanda.com.br ou entre em contato pelo telefone (11) 3097-9646 e fale com nosso setor de atendimento